Ensaio sociológico sobre a evolução da educação ocidental

O século XVI marca o nascimento da escola pública europeia com as primeiras propostas que conhecemos hoje como didática. A revolução industrial foi acompanhada por muitos processos do novo capitalismo e do neoliberalismo em todos os campos, políticos, sociais, econômicos e educacionais.
Ensayo sociológico sobre la evolución en la educación occidental homo
Nasce assim a escola acompanhada com o ideal pansófico (ensinar tudo a todos) da utopia de Comenio, acompanhada por uma forte impressão religiosa, com a universalização da educação. 
Universalização, que terminou sendo a homogeneização de sujeitos ao conhecimento. 
Já Pink Floyd famosa criticou essa massificação genialmente em seu "Another Brick in the Wall. A música fala sobre as regras rígidas que estavam nas escolas durante a década de 1950 (10) 
Estudos longos e uma grande quantidade de material sobre o tema do ensino pode se referir a tantos livros e documentos, que foram escritos como a sociedade evoluiu. Longe de homogeneizado, é cada vez mais plural, heterogêneo, hiper-conectado. 
Não é propósito deste artigo resumir quantas teorias educacionais têm sido inventadas até hoje, desde o ponto de vista de a humanidade não poder resolver o paradigma da "Educação" e hoje existem milhões de sites, fóruns de discussão, publicações, etc. Que intentar dar a luz ou pedir ajuda, a professores desorientados frente a um novo sujeito de aprendizagem, com o qual não encontra um caminho que conduza ao "aprendiz" do conhecimento.
Análise evolutiva desde o conceito genealógico
Quando dizemos que as sociedades são dinâmicas e não estáticas, dialéticas e em evolução, vemos este desenvolvimento de vários aspectos. Um deles é o aspecto familiar, ou seja, tomar o produzido em um aspecto por pessoas de um período de tempo, neste caso, como foi a educação em um espaço de tempo histórico.
Geração Perdida (1883-1899) 
Período compreendido entre o fim da Primeira Guerra Mundial até a Grande Depressão. Perde pela guerra, a economia deprimida e excessos dessa época. 

Esses fatores não levaram a uma área de desenvolvimento da educação em termos de ensino, que resultaram importantes para as gerações futuras.
Baby boom (1940-1953)
Pós segunda guerra mundial, denominada assim por um boom na taxa de natalidade dessa época.
Nela se dá um melhor acesso a estudos superiores.
Geração X (1970-1981)
Há quem generalize e pense que esta geração é a que tem vivivo tudo, desde a TV preto e branco para os TFT mais nítidos.

Esta geração se viu afetada pelo bombardeio do consumismo dos anos 1980 e início dos anos 1990, a manipulação do sistema político, o advento da Internet, mudanças históricas, como a queda do Muro de Berlim, o fim da guerra fria, início da AIDS entre os muitos eventos que criaram o perfil X. 


Não há expectativas, vivendo em um apático constante, pensam em suas vidas, mas também não aparecem ante de um futuro pouco acolhedor. Eles sabem de antemão que não podem mudar a situação: ou estudam para terminar um como oficinistas, ou acabam em empregos medíocres executivos cujos postos diretivos, mais bem pagos e mais responsáveis ​​estão saturados pela geração anterior, muito maior.
Generación Y (1982-1994) Migrantes digitales 
Millennials (também conhecido como Gen-Y) é a geração nascida logo após a Geração X, de 1980 a meados de 1990. Esta geração é composta por cerca de 50 milhões de pessoas. 

"Generation Why" (Geração por quê) por analogia fonética e tentando expressar um caráter crítico comum a maior parte da geração. 


"Millenials"  por viver o seu desenvolvimento mais intenso junto com a chegada do terceiro milênio.


Geração Y refere-se a pessoas nascidas entre 1982 e 1994. Durante esse tempo, a economia, a tecnologia, saúde, os avanços, e até mesmo as condições econômicas em todo o mundo foram crescendo rapidamente. Cada família estava prosperando e houve um boom em todos os tipos de empresas. As crianças que nasceram durante estes tempos, financeiramente seguras, vivendo confortavelmente. Há televisão, secretárias eletrônicas, muitos modelos de carros disponíveis, boas férias e até mesmo escolas particulares 

Estes jovens foram alimentados por seus pais e lhes disseram que eles poderiam conseguir o que queriam. Como resultado, essa geração tinha ganhado uma reputação de ter um senso de direito e ética de trabalho pobres. Eles também são conhecidos por serem esclarecidos em tecnologia, trabalho social, otimistas e bons em fazer muitas tarefas simultaneamente. Para aprender a trabalhar com a geração Y, você deve se concentrar em ser um mentor, evitando o confronto, proporcionando um trabalho estruturado, social, e fornecer um feedback que faz com que a geração Y se sinta como se valorizam os colegas de trabalho. 


Nesta geração os telefone móveis, SMS, computadores ou entretenimento portátil tornou-se acessível e disponível para os membros da mesma quando têm em média entre 15 e 20 anos.
Geração Z (1995-2004)  NATIVOS DIGITAIS
Praticamente eles adquiriram uso dessas tecnologias a partir de uma idade precoce, daí vem o termo "nativos digitais", sujeitos aos quais a tecnologia não capta a sua atenção como as gerações anteriores. 

Sujeitos de característica "multitarefa", já que foram desde pequenas bombardeados com muita informação que naturalmente aprenderam a filtrar para poder selecionar o que eles consideram importante. 

Indivíduos egoístas, ao tempo adulto altamente exigente. 

Sujeitos egoístas, por ouro lado altamente demandantes de adultos. Foram os primeiros inconscientes dos "ambientes de aprendizagem pessoais". 


A geração Z,  é formada pelos verdadeiros nativos digitais, este ano comemora os difíceis anos da adolescência. 65 anos completa o primeiro computador, e ainda há resistência à mudança, o que estamos vendo hoje são permanentes "mudanças de paradigma" na educação, economia, negócios, empresas, política. Isso é uma mudança permanente nas regras. Aqueles que antecipam as mudanças são inovadores. É um momento de grande potencial para aqueles que não estão vinculados a paradigmas, tradições e costumes. Excitante para aqueles que amam as nuances e os tempos de aprendizagem ao longo da vida.
Evolução desde o conceito de  antropomorfismo
Ver: (4)
Homo sapiens
Alude à característica biológica mais característico: sapiens significa "sábio" ou "capaz de conhecer", e refere-se à consideração do ser humano como um "animal racional", ao contrário de todas as outras espécies. É justamente a capacidade dos seres humanos para realizar operações conceituais e simbólicas complexas, que incluem, por exemplo, o uso de sistemas sofisticados de linguagem, raciocínio abstrato e capacidades de introspecção e especulação uma de suas características mais notáveis ​​sendo. 

Produto de alfabetização, "o homem falando ao homem de Gutenberg" se dá o trânsito da  palavra escrita para todos. 


A linguagem como ideia comunicação. A este respeito, considero que a linguagem evolucionada do chat da juventude de hoje é apenas uma "evolução", mas ainda transmite uma ideia. Por exemplo TKM para eu te amo, entre outras expressões. 


Isso é, se a palavra (ou a substituição do termo) não transmite uma ideia, aí sim, estamos perdidos na mais antiga de nossa evolução.
Homo Videns
Produz-se m salto tecnológico disruptivo desde o advento da televisão, em que predomina à palavra, que passa a somente apoiar a imagem. 

O telespectador se torna um animal vidente, mais do que simbólico, parecido com habilidades de ancestrais. (6) 


Pessoalmente, eu entendo que é a partir desse ponto, onde uma infeliz degradação da condição humana, acompanhado por extrapolações profunda dos valores que foram cunhadas durante séculos por seu antecessor o H. Sapiens. 


O homem se torna "Light" (8), com uma atrofia cultural.
Homo Interneticus
O homo Interneticus com pressa é um surfista compulsivo que já não tem a coragem ou a capacidade de ler livros que ultrapassam 140 caracteres ...! 

Nosso cérebro se faz constantemente aprendendo; desenvolvimento de novas formas de pensar, perdendo velhas se não praticar.
As tecnologias e ferramentas digitais mudam nosso modo de pensar e de atuar.
As mudanças trazidas por estas ferramentas em nosso pensamento são rápidas e muitas vezes irreversíveis. 

Internet é a tecnologia de mudança de nossos cérebros e a mais poderosa depois do livro.
Homo Homógrafo
Embora este termo não acredite que tenha sido inventado hoje, o proponho como o sucessor do Homo Interneticus.
homoreal evolution
É o Homem realizado graças às redes sociais, onde encontra seus objetivos e satisfação pessoal (Felicidade)
É o homem que deixou as praças públicas faz muito tempo, as conversas de café, o debate público, o confronto de idéias face a face, para dar lugar à virtualidade das relações humanas.

É o lado positivo desta análise, o conhecimento se expandiu através de redes sociais, grupos de afinidade, PLE-PLN-PDE-SLE-COIN, (9), que aumentam o conhecimento humano para além das intenções e ações de poderes instituídos, para regular a rede.


A liberdade humana pode ser exercida. A liberdade conceito restringido desde os primórdios da humanidade por alguns valores, religiões (religar, religação) ou poderes políticos e sociais, leis, usos e costumes, etc.
"O medo da liberdade" (Erich Fromm) fica em estado ancestral. Hoje os seres humanos não estão mais se comportando como descrito por Fromm ("o ser humano moderno é caracterizado pela passividade e se identifica com os valores de mercado, porque o homem transformou-se em uma mercadoria e sente a sua a vida como um capital a ser investido lucrativamente. o homem tornou-se um consumidor eterno, e o mundo para ele é nada mais do que um objeto para saciar seu apetite")
big brother 210x300
Embora a rede esteja vigiada pelo “Grande irmão” (Personagem de Orwell)

O escritor e futurista Alvin Toffler introduziu em 1980 o termo "Terceira Onda", no qual ele argumenta que todos os campos da ação humana devem se reinventar e que temos de nos acostumarmos que alguns trabalhos mudem tão rápido que que aquele que não se encaixa permanece obsoleto (13). Embora Tofller levante esta tese há 30 anos, a sua ideologia permanece viva para ver como as novas profissões estão a tomar o centro do palco e oferecer novas oportunidades para juventude.El rede "Homo homográficos" pegue o que você precisa para o seu desenvolvimento intelectual, embora atuando em privado, em seu micro-mundo da automação residencial casa longe de insegurança e de poluição, onde, além de sua família, também será o aprendiz como indicado por Arnold J. Toynbee ("a grande aventura da humanidade") em "terceira onda "
"A classe virtual aparece como uma "terceira onda" da utilização das tecnologias de informação; um passo além mesmo até onde nos levou o Continuum de Tapscott no E2. Caracteriza-se pela presença maciça de computadores no ambiente social (daí o E4 ser a adaptação externa) e é baseado em uma visão construtivista da aprendizagem. Sustenta que o "ensino à distância no ciberespaço" será a forma de levar a educação na sociedade da informação. Portanto, a realidade virtual gerada por computador (CGVR) é a base da tecnologia da educação na E4. Tiffin e Rajasingham têm imaginado com mais ou menos detalhes o que significaria o processo de aprendizagem em termos de classe virtual. Em qualquer caso, a conexão com os CGVR-óculos, uma unidade de exposição ligado à cabeça ou um data - permitiria o "aprendiz autônomo" sob medida acessar diretamente o conhecimento contido na grande mídia (por meio de obras de vários leitores descarregadores e conteúdo multimídia) e também gerar modelos de fenômenos dinâmicos (como problemas da vida real) abordados a partir de todos os ângulos possíveis. Em suma, o ato CVGR como um "amplificador de fantasia" permitiria que o aluno explorare como quiser, quando for apropriado, cobrindo o "material" os rumos e ritmo determinado por ele. Além disso, CVGR seria necessário para permitir o acesso do aluno apenas a tempo de dois serviços essenciais: professores e professores virtuais "
  
É impressionante as várias citações no final de "aprendiz" em textos de ficção científica como na saga de Star Wars: The Force Unleashed (3) O aprendiz de feiticeiro (1996), com Fletcher Prapt, Anaya, etc. Entre outros romances futuristas onde aparece a figura do aprendiz.
Homo antropomórfico: 
Também não encontre esse termo em uso, mas sem dúvida que é preciso para descrever o sucessor do H. homográfico.

Se nós projetarmos ainda mais as conclusões, podemos imaginar o Homo antropomórfico como "Asimo" (ASIMO (acrônimo para "Passo Avançado em Mobilidade Inovadora") é um robô humanoide criado em 2000 pela empresa Honda em homenagem ao seu criador literário, Isaac Asimov.

Então, a Internet inteligente inteligente teria aderido à quântica, 16 vezes mais rápido do que a conhecido hoje. (12)

Os resultados dos primeiros passos da 2ª e 3ª Internet, permitiu a introdução de automação residencial e máquinas inteligentes na vida cotidiana. Deixaram os frutos para que a Web 4.0 e a Web Quântica levem adiante as novas comunicações, não apenas entre os indivíduos, mas entre sujeitos e máquinas.

Chegará, então, um tempo, de reconsiderar as "leis da robótica"?

A biotecnologia, a bioinformática e os principais avanços científicos e tecnológicos nos esmagam hoje, mas vislumbramos, que já pode ser possível, o que só a ficção científica  podia "ver".
"Trabalhas com pessoas que vivem totalmente à mercê da resistência. Ajudam o diabo sendo seu advogado nas reuniões. Seguem o livro de regras, mesmo as partes que você não sabia. Eles estão satisfeitos com o que sempre trabalharam e temem o que pode vir no futuro." Seth Godin
go back


Isaac Asimov  Um visionário demostrando que a ficção científica é “Ciência”.
O visionário Isaac Asimov imaginou vom seu "Multivac" que todos desfrutariam do poder de aprender, mas ao contrário da escola universal da revolução industrial, com a aprendizagem forçada, com as máquinas se logra uma relação de um a um  e o consumidor dessas informações.

Em seu trabalho, faz alguns comentários que parecem mais do que saudosas previsões, pareceram predicações sobre a educação e o modelo 1a1.

Relação que não  desumaniza, mas sim que com sua própria virtude pode atender à diversidade das reivindicações de conhecimento, que atualmente estão focadas em que o indivíduo quer ou precisa saber. (5)

Multivac é o nome de um computador fictício que aparece em muitas das histórias ou contos de Isaac Asimov, entre 1955 e 1975. De acordo com sua autobiografia, In Memory Yet Green, Asimov escolheu o nome de Multivac como referência a UNIVAC, o primeiro computador mainframe fabricada nos EUA. Embora, inicialmente, Asimov tenha pensado que o nome significa "Vários tubos de vácuo" em uma de suas últimas histórias, "A última pergunta", diz o sufixo -ac vêm de "computador analógico (computador analógico) ".

Ao contrário de inteligências artificiais representada na sua série sobre Robots, a interface  Multivac é mecanizada e impessoal, exceto na história "Todos os problemas do mundo" -, que consistem em consoles de comandos complexos que apenas alguns seres humanos podem lidar.

Mas o autor já com as famosas leis da robótica esboça a ideia da internet 4.0 e da inteligência artificial
Ensayo sociológico sobre la evolución en la educación occidental 1024x844
Diapositiva de : Dolors Capde
Conclusões:
É possível, com o auxílio destes dados. Hipoteticamente sugerir que a evolução da educação na sociedade humana, será auto-didata, permanente, em ambientes de aprendizagem, pessoal guiada por um assistente robótico regulado por um estado supremo. Leis SOPA, SINDE, etc., Primeiros e não únicos, certamente, intentos oficiais para regular o fluxo de informações.

O conceito de "Big Brother" (Personagem de Orwell) (2), será aplicável nas ações humanas.

Este estado supremo (respondendo a pressões corporativas) pode ser hoje, "A Casa Branca" o país dominante, O Pentágono, a CIA ou outra organização governamental, será o "líder, gestor e regulador" do que a Rede publique. (1)
No entanto, esta evolução (como não é nada mais do que isso) não será um obstáculo para o desenvolvimento humano, condicionado por mais que isso, tem como paradigma, mais liberdade do que nunca.

Essa "liberdade", um conceito que como "justiça" são eternamente redefinidos, bem como re-exercidos de forma diferente (11) Então, o homem vai ter que entender "liberdade" na era digital (2 ... 3 ... 4 ... 5 ... 0 ponto), para que o que buscamos, produzir e publicar não afet4 interesses econômicos existentes.

"Sua liberdade" porque a única liberdade possível é a que cada ser se reserva em particular. Agora, a liberdade não é um bem, mas um valor, um verbo, uma ação. E como qualquer valor tende a ser extrapolads e transformado, neste caso, o egoísmo ou individualismo, em vez de liberdade.
A utopia socialista que perdura (mal) em algumas sociedades ou comunidades estão em utopias (em tempo útil). Mas agora é o momento em que os registros de "propriedade intelectual" gerenciam grandes rendas econômicas.

Assim estaria ao meu entender o chamado  "paradigma da educação".

A ficção científica baseou-se em várias ocasiões a humanidade dividida em duas, uma protegida de todos os perigos com sua pirâmide das necessidades resolvidas, e outra em um mundo devastado, pobre e cheio de insatisfações de todos os tipos.

Eu entendo a sociedade de hoje "protegida" como a que teve alcance ao conhecimento, mas ... também, pode acessá-lo!

Como um amigo disse: "Terás que comprar a vaca e pagar pelo leite que ordenhas" (9)
 La dualidad capacidad económica y capacidad de aprender serán la formula del éxito
De acordo com a evolução do homem a partir do ponto vista exposto, pode-se concluir que a humanidade está evoluindo (não poderia não fazê-lo), mas o ensino, a educação, não soube ler este desenvolvimento e  acompanhar os processos.

Projetado para a revolução industrial, a escola cumpriu rigorosamente com um fim por um longo tempo, mas hoje é no local de trabalho, onde estão os principais problemas de ajustamento sujeitos às estruturas de trabalho da sociedade moderna. Ao contrário do que foi conseguido para o fordismo (H. Ford), hoje poucas empresas podem capitalizar o potencial do sujeito atual, mas não todo o mercado pode ser empresas como o Google, que amam seus empregados tirando grandes benefícios. Algumas empresas alcançaram se, captar a mensagem e capitalizar isto, algumas empresas de mídia, agências de telefone, seguros, publicidade, etc. (7)

Mas a grande maioria das empresas, para não mencionar as profissões, estão em crise de capital humano. O sujeito atual tem outros códigos e outras tempos que se encaixam mais para as características estudadas na Geração X ou Y, altamente exigentes por outro lado.

Mais do que nunca, o professor tem de abandonar o paradigma das TIC, entendendo que já está trabalhando com "nativos digitais" que não poderiam se seduzir com ferramentas da Web, que eles dominam ou podem dominar, se os apresentam ou as encontram eles próprios.

Deverá-se, então, "conduzir" o aluno às TAC (acesso a tecnologias do conhecimento).

São os ambientes pessoais de aprendizagem  que se tornam valiosos agora, PLE-PLN-PDE-LES-COIN, (9), para que os alunos não só estejam em sala de aula como já entendemos hoje, mas também convivam com formação contínua, com a incorporação constante de conhecimento que, logicamente, com o conhecimento ampliado, foi aprimorado para que seja incorporação diária de conhecimento em todas as áreas, para além de qualquer limitação legal.

Nem todo conhecimento será censurado, seria impossível, de modo que significa ter nenhum registro de propriedade ou usar o CC criador, Creative Commons.

"As licenças Creative Commons ou CC são inspiradas pela Licença GPL (Licença Pública Geral) da Free Software Foundation GPL, compartilhando muito de sua filosofia. A principal ideia por trás dela é permitir que um modelo legal auxiliado por ferramentas informáticas facilite a distribuição e utilização de conteúdos. Há um número de licenças Creative Commons, cada uma com diferentes configurações, que permite que autores decidam a maneira em que seu trabalho circule na Internet, dando liberdade de citar, reproduzir, criar trabalhos derivados e oferecê-lo publicamente, sob certas restrições diferentes. "(Wikipedia)

Há pessoas de grande gênio que sabem que se um caminho é cortado, você pode pegar um atalho, ou saltar o obstáculo, ou melhor, subir (baixar) e visto de outra perspectiva, o que hoje conhecemos como censura, restrições, limitações e termos antônimo de "liberdade vnha à mente."

Sempre os seres humanos, e não apenas no Ocidente, souberam e saberão como trabalhar em seu benefício.

Interesses corporativos e econômicos, não são para a maioria. O que é suposto ser inferido, que o conhecimento é, foi e será, um patrimônio mundial.

A comunicação tem explorado o excedente cognitivo dos cidadãos e consumidores. A explosão da inteligência coletiva está transformando, a educação, a comunicação audiovisual, tornando os cidadãos prosumers.
 “Hoje  a chave é viver conectado ou morrer invisível.”


Publicado por: Sergio Bosio  outubro 22, 2014 - Sscociólogos

Postar um comentário

0 Comentários