Manuel Castells: O genoma e a humanidade


Já temos um mapa do que nós somos. É o genoma humano, aproximadamente 30.000 genes que em conjunto, e de acordo com a estrutura do ADN, definem o que somos biologicamente. A interação com a vida e o meio ambiente define a personalidade e, por conseguinte, o ser individual. Mas a base biológica da humanidade está em suas preliminares, identificada. Eu sou um cientista social, e não os outros. Portanto, não posso explicar seriamente o que isso significa. Mas posso dizer-lhes algumas implicações que podem ser do seu interesse.

A primeira consequência é sobre a própria biologia - fora dela - e sobre a ciência em geral. Acontece que, em vez dos 100 mil genes que se suponha termos, temos apenas cerca de 30.000. Ou seja,  300 genes a mais do que ratos, pouco mais do que o da mosca, pouco mais do que o do verme e se supõe que quando identificamos o genoma dos macacos estaremos parelhos. Portanto, a nossa diferença (e provavelmente todas as espécies) não está nos genes, mas na interação entre os genes. Na complexidade das redes de intercâmbio. Adivinha-me? Há um tempo, Fritjof Capra, um físico teórico, e na minha opinião, o teórico fundamental da teoria da complexidade, propôs a hipótese de que (em tradução minha) a teoria genética atual era uma farsa mecanicista. Os genes só funcionam quando e como eles se relacionam com os outros. Como nós no fundo. São as redes entre genes que por sua interação biológica ao longo do tempo, têm gerado vida através de propriedades emergentes da matéria. Uma vez comprovado que o nosso estoque genético é relativamente pobre, ou nos reduzimos a vermes ou aceitamos a ideia de que nossa natureza biológica (e não apenas a nossa sociedade) depende da nossa interação interna, social e com o nosso meio ambiente. O que altera a biologia e em grande parte a ciência em geral: passamos (ou, se quiserem, aceleramos a transição) do elementar ao relacional. Especificamente: como vivemos determina o que somos.

A segunda grande lição é como chegamos a mapear o genoma humano. Mas é uma lição de surpresas. A ciência pública tomou a iniciativa. Um consórcio de cooperação científica internacional, liderada e financiada por instituições nos Estados Unidos e no Reino Unido, envolvendo cientistas e centros de pesquisas norte-americano, europeus e japoneses, colaboraram com o programa Genoma Humano, lançado em 1990. Mas, em meados da década de 90, os cientistas-empreendedores que abundam nos Estados Unidos perceberam o potencial comercial do projeto, ao mesmo tempo que identificaram o seu ponto fraco. Identificar os genes que compõem os nossos corpos pode identificar suas irregularidades; portanto, suas doenças, e, por conseguinte, a cura. Vender a vida é o maior negócio possível, como sabem as companhias de seguros de saúde. Por outro lado, o projeto público tinha dois problemas típicos de qualquer empresa pública: a fragmentação burocrática e o corporativismo profissional. Neste caso de corporativismo significa que os biólogos não entendem muito sobre informática e não dão muita importância. A iniciativa privada sabe que nada funciona sem computadores. Assim surgiu uma alternativa  privada ao programa do genoma humano: a empresa Celera Genomics, liderada por um cientista, Dr. Craig Venter, que começou a construir um mapa do genoma em paralelo e mais rápido, utilizando a capacidade massiva de programas de computador capazes de cálculo informático com programas capazes todas as informações obtidas pela pesquisa biológica. O Programa Genoma Humano público teve sua data de conclusão em 2003. Mas no início de 2000 o Celera anunciou seu fim em 2000. Gerou pânico no mundo científico. O que poderia acontecer se uma empresa privada viesse a  patentear o genoma da nossa espécie, ou pelo menos parte dela? Uma senhora em Boston não esperou a resposta: ele foi ao escritório de patentes e patenteou-se, pelo que poderia acontecer. O prêmio nobel, diretor do programa público, Sir Francis Watson, descobridor da hélice do DNA, deu a ordem para terminar o Genoma Humano imediatamente, em 2000. Fácil de dizer, mas difícil de fazer. Porque era muito conhecido, mas como fazê-lo compatível e relacionável? Até que os biólogos das universidades também, eventualmente, descobriram a importância crítica da tecnologia da informação.

O investigador principal do programa público, Dr. Lander, do Instituto Whitehead, de Boston, chamou em Dezembro de 1999 o Professor David Haussler, do departamento de ciência da computação da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, para ajudar a integrar computacionalmente a grande quantidade de resultados da pesquisa biológica. Haussler aceitou o desafio, obteve da reitora da universidade uma dotação especial de US$ 250.000 para comprar 100 computadores e começou a trabalhar. Não chegava. A quantidade de informação a ser incluída era tal em tão pouco tempo, que não parecia possível. Então, ele chamou um de seus melhores alunos de doutorado, James Kent. Aos 41 anos, Kent tinha decidido voltar para a escola depois de 10 anos em uma empresa de computação multimídia. James Kent decidiu tentar, porque, como ele diz, "o escritório de patentes do governo é muito irresponsável, deixando patentear como invenções o que são descobertas. É algo que me perturba. Por isso, decidimos publicar o conjunto de genes, o mais rapidamente possível ". Fez isso em um mês. O que o programa público com centenas de cientistas de todo o mundo não pode fazer;  e o que a empresa privada com centenas de milhares de dólares fez em anos, James Kent fez em um mês. Tudo começou em 22 de maio de 2000 e terminou em 22 de Junho, escrevendo o GigAssembler para o Genoma Humano, com 10.000 linhas de código. Ele ganhou a corrida por três dias do Celera. Para o bem da humanidade. E postou na internet. Desde 7 de julho, em que o programa browser projetado por Kent foi colocado na web (USCS- Universidade da Califórnia em Santa Cruz), recebe cerca de 20.000 chamadas (hits) diárias.

Ou seja, que a acessibilidade que podemos ter a informação sobre quem somos dependeu de um professor e um estudante de informática decidiram que isso era melhor para que tornar-se milionários com sua informação. É certo que o Celera assegura que também publicará suas informações. Mas nem todas e de acordo com. Porque, em última análise, e é normal,  tem que pagar seus investidores que colocaram milhões de dólares em um projeto à espera de lucro. Assim, pois a nossa espécie se autopreserva  (ou, pelo menos, preserva a informação necessária) por seus instintos de generosidade mais do que os de competição. Não é um mau começo para o nosso conhecimento do genoma humano.

Manuel Castells sociólogo espanhol, foi catedrático da Universidade de Califórnia-Berkeley. 

Publicado em 2003 no Jornal espanhol El País

Postar um comentário

0 Comentários