China sofre saída de capitais de 500 bilhões de dólares

por Marco Antonio Moreno



As saídas de capital da China ultrapassaram 500 bilhões de dólares nos primeiros oito meses deste ano, levando à fuga de capitais que apontamos neste postDe acordo com novas estimativas do Tesouro dos EUA reproduzidos pelo Financial Times, durante os primeiros seis meses deste ano saíram da China 250 bilhões de dólares, quase dez vezes mais do que os 26 bilhões de dólares que vieram no mesmo período no ano passado. As saídas aceleraram-se em agosto, após a China passar a desvalorizar o yuan em seu maior ajuste em em 20 anos. O nervosismo dos mercados causou este mês uma saída de mais de 200 bilhões de dólares, tendo a China a sofrer a maior fuga de capital líquido nos últimos 30 anos.

Em seu mais recente relatório semestral ao Congresso sobre a economia mundial, o Tesouro dos EUA reduziu sua avaliação do renminbi assinalando o que já havia sido "significativamente sobrevalorizado" como está agora abaixo de sua avaliação adequada de médio prazo. Não se esqueça que neste período de "supervalorização do yuan," a China exigiu que os EUA "parasse de manipular a moeda". Agora que confirmou a sobrevalorização da moeda e o yuan tem sido subvalorizado pelo mercado finalmente, os Estados Unidos apontam que desta vez ele está subvalorizado.
A fuga de capitais de mais de 500 bilhões de dólares é um golpe duro de ser engolido por qualquer país. Desta vez, a China tem vindo a receber a ira do mercado após a confirmação da desaceleração em curso. As perspectivas de crescimento mais baixas para a China, apesar de ser matizada ontem com um ligeiro declínio na sua taxa de crescimento, geraram grande incerteza para a economia mundial. Se a China foi o motor da economia mundial após a crise de 2008/2009, agora que este motor diminui seu ritmo o cenário econômico global se torna mais incerto. Especialmente quando a Europa não teve a recuperação esperada e os dados para Estados Unidos são bastante fracos. O perigo de uma recessão global está novamente à frente neste momento e os fluxos de capitais são frequentemente aqueles que desencadeiam as crises.
A volatilidade desses fluxos está apertando a liquidez nos mercados e esse fenômeno o vive cada dia o mercado de ações que veem retroceder o valor dos seus ativos em um acelerado caminho deflacionário. O impacto dos fluxos de capital na estabilidade macroeconômica é sempre de alto risco.

Postar um comentário

0 Comentários