Um modelo democrático para o Facebook

Resultado de imagem para facebook

por Henning Meyer 

O Facebook é regularmente noticiado como uma força que interrompe a política democrática em todo o mundo, mas e se a democracia pudesse ser o modelo para salvar o Facebook?

A rede social que conecta 2,2 bilhões de pessoas teve um período difícil nos últimos tempos. Desde a suposta interferência malévola de atores estrangeiros na última eleição presidencial dos Estados Unidos, através do escândalo da Cambridge Analytica até dados mais recentes e vazamentos de documentos, a empresa geralmente está fazendo manchetes por todas as razões erradas.

Um dos problemas mais persistentes que a empresa de Mark Zuckerberg teve que lidar é o discurso do ódio. De fato, parte do conteúdo distribuído no Facebook divide amargamente as sociedades e separa as pessoas em vez de conectá-las - o objetivo principal da rede social (“tornar o mundo mais aberto e conectado”, diz seu fundador). Tomar decisões sobre onde traçar a linha entre pontos de vista controversos, mas legítimos, e incitar o ódio não é, contudo, uma tarefa simples e a empresa tem lutado para lidar com regras e processos capazes de lidar com o problema. Uma ideia recente de Zuckerberg, no entanto, poderia mostrar o caminho para um interessante novo modelo de governança corporativa.


Ele quer estabelecer um órgão de apelação independente, apelidado na mídia de “Suprema Corte do Facebook”, por três razões principais. Primeiro, um órgão de apelação externo tomaria decisões longe do próprio Facebook. Segundo, criaria responsabilidade e supervisão. E, terceiro, um órgão independente garantiria que as decisões não fossem tomadas por razões comerciais, mas sim no melhor interesse da comunidade do Facebook.



Tribunal de Recurso

O ponto chave aqui é que Zuckerberg está, de fato, estabelecendo uma jurisdição independente que normalmente só é encontrada em sistemas políticos democráticos. E tal movimento faz todo o sentido para uma empresa que é frequentemente descrita como semelhante a uma nação global ou como o equivalente moderno da praça pública de antigamente. Mas o estabelecimento de um "tribunal de apelação" independente é suficiente para uma empresa com mais usuários do que os cidadãos de qualquer país? Ou o slogan “dar às pessoas o poder”, que é fundamental para a missão do Facebook, também significa que imitar mais instituições democráticas no modelo de governança corporativa de uma empresa de tamanho e escopo exclusivos do Facebook é o caminho a seguir?

O problema com os padrões da comunidade não é apenas a aplicação, mas, muitas vezes, o conteúdo de políticas diferentes. Mesmo se você consultar amplamente o que deve ser aceitável e o que não é, como o Facebook, a decisão final ainda é tomada pela própria empresa. Se o Facebook não apenas criasse uma instituição judicial, mas também criasse um processo legislativo digital que capacitasse seus usuários, as próprias políticas teriam uma fonte diferente de legitimidade e realmente “dariam às pessoas o poder”.

Criar tal processo não é claro, pois há diferenças culturais significativas entre os usuários do Facebook. Mas nenhuma das opções alternativas para resolver os problemas da empresa também é fácil. O Facebook já anunciou que está planejando permitir um grau de customização pessoal em que conteúdo é mostrado aos usuários, mas se a customização pessoal puder ser casada com uma legitimidade mais ampla das políticas gerais subjacentes, a empresa pode estar no caminho certo.

Não é por acaso que a longa divisão de poderes nos poderes executivo, legislativo e judiciário serviu bem às nações democráticas. Talvez adotar esse modelo comprovado para a governança de uma corporação que tenha as marcas de uma nação digital mais do que qualquer outra empresa no planeta seja o caminho a seguir. Definir políticas mais legítimas incluindo usuários diretamente no processo de tomada de decisão e fiscalizando essas políticas proativamente com melhores filtros de conteúdo de IA e reativamente por intervenção humana seria uma experiência interessante. Especialmente se um mecanismo de apelação semelhante a um tribunal independente fosse adicionado no topo.

No mínimo, vale a pena explorar esses novos conceitos de governança. O modelo atual fracassou claramente e é difícil ver como as futuras falhas podem ser evitadas sem a inovação da governança institucional. Como o próprio Zuckerberg afirmou em sua nota sobre governança e aplicação de conteúdo, essas são questões que não podem ser consertadas para sempre, mas apenas aprimoradas. No entanto, é muito melhor tentar melhorar com os usuários do que com os usuários.






Henning Meyer é editor-chefe da Social Europe e pesquisador associado do Public Policy Group da London School of Economics and Political Science. Ele também é diretor da consultoria New Global Strategy Ltd. e freqüentemente escreve editoriais de opinião para jornais internacionais como The Guardian, DIE ZEIT, The New York Times e El Pais.

Postar um comentário

0 Comentários