Novo conceito de Classe Média e o consumismo da Modernidade Líquida

O governo brasileiro já tem uma nova definição para a classe média brasileira. Considerando a renda familiar como critério básico, uma comissão de especialistas formada pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República definiu que a nova classe média é integrada pelos indivíduos que vivem em famílias com renda per capita (somando-se a renda familiar e dividindo-a pelo número de pessoas que compõem a família) entre R$ 291 e R$ 1.019.

Essa definição de classe média abarcando quase a sociedade inteira parece-me ser baseada pelo consumo, lembro que quando estoura a crise financeira de 2008 o então presidente Lula fez pronunciamento na TV pedindo para que os brasileiros continuasses a consumir.

“Você, meu amigo e minha amiga, não tenha medo de consumir com responsabilidade. Se você está com dívidas, procure antes equilibrar seu orçamento. Mas, se tem um dinheirinho no bolso ou recebeu o décimo terceiro, e está querendo comprar uma geladeira, um fogão ou trocar de carro, não frustre seu sonho, com medo do futuro”, afirmou. "Porque se você não comprar, o comércio não vende. E se a loja não vender, não fará novas encomendas à fábrica. E aí a fábrica produzirá menos e, a médio prazo, o seu emprego poderá estar em risco."

Mais recentemente no Programa do PT fora focado na questão de os brasileiros poderem comprar equipamentos que antes não era possível, como geladeira, computador, TV Etc. Até aqui ficamos no consumo, consumo interno que foi a principal força de expansão interna da economia nacional, o governo baseou-se nas políticas de transferência de renda, na concessão de crédito o que favorece o consumo.

O consumo faz parte e essa melhora nas condições de vida são importantes e deixando de lado as políticas do governo e entrando em uma análise sociológica dessa nova Classe média a vemos como adepta do consumismo, o que é viver nessa sociedade líquida como diz Bauman? Consumir roupas, objetos, individualismos, sentimento de superioridade por ter produtos.

"Ao contrário de consumo, que é principalmente uma característica da ocupação individual e humano, o consumismo é um atributo da sociedade. Para que uma sociedade seja digna desse atributo, a capacidade essencialmente individual de querer, desejar e o desejo deve ser separado ("alienada") dos indivíduos (como foi a possibilidade de trabalhar na sociedade de produtores) e deve ser reciclada / reificada como força externa capaz de pôr em movimento a "sociedade de consumo" e manter-se afastado, como forma específica da comunidade humana, ao estabelecer parâmetros específicos estratégias de vida específicos e manipular as probabilidades de escolhas e comportamentos individuais" (Bauman).

Aqui colocamos o Brasil no centro dessa modernidade líquida e tornamos esse problema um problema Global, tanto que existem algumas correntes que reagem a isso, como os adeptos do ecologismo, mas a Modernidade Líquida pertence a coisas que são descartáveis, para que o ciclo repita-se com frequência.

Referências:
Zygmunt Bauman, Vida do Consumidor, Trans. M. Rosenberg e J. Arrambide, FCE, México, 2007, pp.44-51.

Agência Brasil - Governo define que classe média tem renda entre R$ 291 e R$ 1.019




Postar um comentário

0 Comentários