Castells: "Todos os nossos movimentos sociais do nosso século surgirão na Internet"

Obcecado com as várias manifestações do poder e como ele usou as ferramentas de comunicação, ao longo da história, o sociólogo Manuel Castells enfatiza o nível horizontal de penetração da Internet e a criação de novos movimentos sociais e expressões rebeldes. O Teórico espanhol visitou a Argentina na semana passada para receber o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de St. Martin (UNSAM) e apresentou a sua análise em uma conferência sobre "A teoria do poder na sociedade em rede", onde falou sobre as formas exercício do poder, no que ele chama de a era da "autocomunicação de massas", e contou algumas dessas idéias para a imprensa.


Castells disse que "uma das formas centrais do poder tem sido a construção de sentido na mente humana através do controle da informação. Na medida em que há uma transformação da informação e comunicação, há uma transformação em que se exerce o poder e o contra poder, também." Nesse sentido, o sociólogo sugere que "estamos mais envolvidos do que nunca no mundo da comunicação e que os conteúdos, os sinais, as imagens que povoam este universo são absolutamente cruciais nas formas de poder que vivemos. Por exemplo, a política  hoje é midiática. O que  não é midiático não é política .  Ao mesmo tempo tem-se desenvolvido uma forma de comunicação que eu chamo de autocomunicação de massas, baseada na internet e redes móveis. Ao mesmo tempo o universo da comunicação torna mais importante a capacidade do poder existente - econômico, militar, político - de penetrar nas mentes das pessoas, todos nós recebemos uma capacidade de criar imagens, informações em redes horizontais, que escapam  do controle do poder e projetam  imagens , idéias, possibilidades alternativas ", disse ele.

Para Castells os movimentos sociais surgidos  na rede "são as formas mais eficazes de contrpoder que existiu, porque escapam ao  controle da informação, não podem ser detectados antes de explodir e estão em constante evolução. O poder de Comunicação é cada vez mais importante, tanto no exercício do poder de controle sobre as pessoas e na capacidade das pessoas para fugir desse controle e propor seus próprios projetos transformados em imagens ".

O Teórico espanhol propôs uma maneira reveladora para entender a suposta dicotomia entre o virtual e o real. "A realidade é tudo", define. "Hoje, quando você está nas redes sociais, é você. O mais real que há em nossas vidas é o que vivemos na internet . E vivemos  sempre em um plano híbrido  entre os planos da realidade, do contato direto e do contato virtual." O mesmo se aplica à criação de novos movimentos sociais, de acordo com Castells. "Sempre começa na Internet, no espaço público da Internet, e está sempre ligado a um espaço público urbano que ocupam e, finalmente, desenvolvem um espaço institucional. São três tipos de espaços, porém, construídos através de uma autonomia que representa ocupar o espaço na Internet. O que normalmente acontece é que, quando um movimento não autorizado representa um desafio à ordem estabelecida ocupa um espaço físico público é relativamente fácil para a polícia  dispersar, mas nunca podem no ciberespaço, onde segue existindo, se reorganiza e toma novas iniciativas que vão expressando em outras formas, tanto no espaço físico como no virtual ".

Sobre o possível monitoramento das ações públicas na rede, Castells argumenta que não há um "controle" real, embora exista um estado de "vigilância" permanente. "Na internet todos nós podemos dizer o que queremos, quando queremos e como queremos. A questão é o que acontece em seguida. A Internet não é controlada, mas está vigiada. Isto significa que o mensageiro pode ser identificado, localizado e suprimido. Segundo os  casos, uma multa, prisão ou execução. Mas a mensagem não, então a mensagem é transmitida e é eterna. O Mensageiro cai, mas a mensagem não. O problema é para os mensageiros. O que também prova as experiências dos últimos anos é que a intimidação não detém os movimentos sociais, políticos. O fato de que podem ser monitorados e, portanto,  reprimidos não impede que os movimentos sociais , assim como as pessoas q dispostas a assumir riscos em um estado de raiva ou pressão, do mesmo modo, a expressão na Internet é uma chamada que tem riscos, mas, se a mensagem tiver um teor de que muitas pessoas são sensíveis, expande-se rapidamente. "

Uma das características mais marcantes da Internet é o que  chama de "viralidade". Isto é, a possibilidade de que uma mensagem seja reproduzida através da replicação em massa dos utilizadores. "Não há comunicação na história com mais viralidade do que a Internet. Não  se pode controlar,  se espalha rapidamente e tudo depende de quanto ressoa ou não nas mentes de milhões de pessoas", diz Castells.

"Sabemos que  todos os movimentos sociais do nosso século surgirão pela Internet" diz Castells, mas acrescentou:.. "Não é a Internet que faz  os movimentos. É a sociedade que está usando o espaço da Internet para desenvolver esses movimentos. Sabemos que os movimentos de nosso tempo nascem na internet, de forma autônoma, de forma espontânea, e não precisam de líderes, porque eles têm a capacidade de coordenação, organização e discussão própria. Haverá mais ou menos movimentos, depende das tensões, humilhações e opressões que haja em cada sociedade e da capacidade dos políticos para integrar ou não essas tensões ". 

Publicado originalmente em: Tiempo Argentino
Tradução Luiz Rodrigues

Postar um comentário

0 Comentários