Vicenç Navarro: Por que crescem as desigualdades de renda?

Artigo publicado por Vicenç Navarro na coluna “Dominio Público” no diario PÚBLICO, da Espanha 25 de dezembro de 2014.

Existem muitas teorias que tentam explicar por que desde os anos 1980 a desigualdade na maioria dos países de ambos os lados do Atlântico Norte têm vindo a crescer, atingindo o seu pico durante os anos da Grande Recessão, ou seja, a partir de 2007. É importante notar que, enquanto a desigualdade de renda atingiu níveis sem precedentes nos últimos anos, este crescimento tornou-se mais pronunciado desde os anos oitenta.

Infelizmente, grande parte dos analistas da crescente desigualdade se concentraram em causas econômicas - como a globalização da atividade econômica ou a introdução de novas tecnologias - sem dar a devida importância para as causas políticas, que têm sido as determinantes. E entre elas, o conflito entre as instituições que promovem e defendem os interesses do capital e aquelas que defendem os interesses do mundo do trabalho, é central. Você não pode compreender a distribuição de renda em um país sem entender o conflito entre o primeiro e segundo.

E o fato de que isso seja assim é precisamente que as principais fontes de renda em qualquer país são provenientes ou da propriedade de capital ou os decorrentes do trabalho. Por isso, quando analisamos a distribuição de renda é importante saber suas fontes.

O grupo de pessoas, em qualquer sociedade, que deriva a maior parte de sua renda da propriedade do capital (o que foi chamado d classe capitalista, um termo que não é usado por ser agora considerado "antiquado") é muito pequeno. Não mais do que 1% da sociedade. Daí o Occupy Wall Street EUA (que foi inspirado pelo movimento 15-M da Espanha) deve referir-se a este grupo como o 1%, um termo que tem substituído o termo anterior. Na verdade, este 1% inclui não apenas os grandes proprietários de capital, mas também os gestores do capital (por exemplo, banqueiros).

Porque  que o crescimento da desigualdade começa a partir dos anos oitenta?

Se olharmos para os dados dos Estados Unidos, podemos ver que 1% com maior renda do país cresceu de 8% de todos os rendimentos em 1979, para 17% em 2007. Por que esse crescimento ocorreu de forma tão notável? Por que não aconteceu antes? A resposta a essas perguntas são respostas políticas voltadas para o conflito entre o mundo do capital e do trabalho. Nos EUA, como na maioria dos países da Europa Ocidental, o mundo do trabalho foi ganhando força e poder após a Segunda Guerra Mundial e, portanto, a renda do trabalho aumentou até que representasse quase 75% do todos os rendimentos. Isto resultou em uma resposta do mundo do capital para tentar reverter esta situação. A eleição do Presidente Reagan nos EUA e Mrs Thatcher no Reino Unido foi o início desta resposta, aplicada a política pública - conhecida como neoliberal - que visava aumentar os ganhos do capital à custa dos rendimentos do trabalho. E eles fizeram isso! Em 2012, os rendimentos do capital tinham subido para 48% da receita total, enquanto o do trabalho caiu para 52%. O que agora se apresenta como causas da desigualdade crescente - como a globalização e as mudanças tecnológicas - são, na verdade, os sintomas e não as causas dessa enorme mudança no equilíbrio de poder entre capital e trabalho. O fato de que há países muito globalizados - como os países escandinavos - que continuam a ter salários mais altos e um extenso estado de bem-estar, mostra que o ponto-chave não é a globalização em si, mas como, o que depende da relação de forças em cada país na relação entre capital e trabalho. Tanto a mobilidade do capital, como o movimento dos trabalhadores e/ou postos de trabalho são variáveis políticas que podem (se houver vontade política) influenciar-se. Acreditar que nada pode ser feito contra fatores exógenos, como a globalização é cair em um determinismo econômico, levado a extremos, leva à eliminação da democracia, o que é mais do que surpreendente que tenha sido aceite por forças que foram historicamente consideradas como instrumentos no mundo do trabalho. A mudança da Constituição espanhola, o artigo 135, é um exemplo desse determinismo econômico.

O capital cresce à custa do mundo do trabalho

Sou consciente de que quando indico que o crescimento dos rendimentos do capital tem sido feito à custa dos rendimentos do trabalho, eu estou abrindo uma janela para aviltamento e respostas hostis (na sua maioria provenientes de instituições como Fedea, financiada pelo Mundo do capital). Os dados, no entanto, falam por si. Vamos vê-los nos EUA, onde há mais informações sobre estes eventos.

Desde os anos oitenta, os rendimentos do capital subiram, e os do trabalho têm vindo a diminuir. E não foi por acaso. Se o leitor olhar como evoluiu a produtividade do trabalho (medida pelo produto produzido em uma hora de trabalho), você verá que, durante os anos quarenta aos anos sessenta, a produtividade aumentou em 3% ao ano (em média), o o mesmo percentual que o aumento dos salários (medida pelo salário por hora), o que explica a quase uma continuidade na distribuição de renda. Como afirmado por Alejandro Reuss na revista Dollars and Sense (Novembro/Dezembro de 2011), durante este tempo o bolo foi aumentando na mesma proporção que o aumento dos salários, com o qual lo percentual que os salários representavam do total das rendas permaneceu a mesma.

Mas se analisarmos a evolução da produtividade a partir dos anos oitenta, vemos que a produtividade do trabalho cresceu 2% ao ano, mas o salário por hora cresceu apenas 1%. O gap (a distância) entre o que o trabalhador produz e o que é pago aumentou, de modo que a distribuição da riqueza produzida foi feita em favor do capitalista (perdão para usar um termo tão desatualizado para definir quem tem a propriedade da emppresa) em detrimento do trabalhador, que receberam menos de compensação. E é aí que reside a raiz do crescimento da desigualdade, da qual ninguém fala.

E se isso não bastasse, a enorme expansão dos serviços bancários (em parte resultado da enorme dívida da classe trabalhadora, derivada da diminuição dos salários), que chegou a um nível claramente hipertrófico (o tamanho do setor bancário na Espanha é 3 vezes superior - em termos proporcionais - ao existente nos EUA) desencadeou ainda mais o crescimento da renda do capital, tanto dos proprietários (acionistas) e seus gestores (os banqueiros).

conclusão

Daí a enorme importância que se acentue a urgência de reverter o equilíbrio de poder em favor do mundo do trabalho, em detrimento do capital mundial (hoje com a hegemonia do capital financeiro). E é isso que nós fizemos Juan Torres e eu no documento que estamos preparando para o Podemos. Os problemas econômicos que existem em Espanha e na Europa são devidos ao poder excessivo e hipertrofiado e a influência que os poderes financeiros e econômicos sobre a grande maioria dos meios de comunicação e persuasão (incluindo Fedea) e suas instituições políticas. Como diz meu professor Gunnar Myrdal, todos os problemas econômicos são essencialmente problemas políticos. Tão claro.

Vicenç Navarro foi Catedrático de Economia Aplicada na Universidade de Barcelona. Atualmente é Catedrático de Ciências Políticas e Sociais, Universidade Pompeu Fabra (Barcelona, Espanha). É também professor de Políticas Públicas em The Johns Hopkins University (Baltimore, EUA) onde tem sido docente durante 45 anos. Dirige o Programa em Políticas Públicas e Sociais patrocinado conjuntamente pela Universidade Pompeu Fabra e The Johns Hopkins University. Dirige também o Observatorio Social de España.

Postar um comentário

0 Comentários