Keynes, o subversivo


Alejandro Nadal


O primeiro dia de 1935 encontrou John Maynard Keynes escrevendo uma carta para George Bernard Shaw. Na carta, ele disse: creio está a escrever um livro sobre teoria econômica que revolucionará em grande parte a forma como o mundo pensa sobre os problemas econômicos. Mostrando certa cautela entre parênteses acrescentou que este resultado iria ser sentido não imediatamente, mas ao longo dos próximos 10 anos. Quem lhe diria que passada a década, ele estaria prestes a morrer prematuramente (aos 62 anos) e que já teria começado um processo revolucionário para distorcer e destruir as principais conclusões da sua obra. 

Keynes estava certo. Seu trabalho foi revolucionário. E a mensagem central foi julgada subversiva pela classe política e a maioria de seus colegas na academia. Essa mensagem pode ser resumida em uma frase: as economias capitalistas são inerentemente instáveis ​​e podem manter níveis socialmente inaceitáveis ​​de desemprego durante longos períodos de tempo. 

A teoria de Keynes foi não feita em um dia. A evolução pode ser resumida em uma de suas frases mais famosas: o problema não está nas novas idéias, mas em escapar das velhas formas de pensar que se ramificam, para nós que fomos educados em suas tradições, até ocupar todos os cantos de nossa mente. 

O mundo antes de Keynes rejeitou a possibilidade de uma crise econômica generalizada. Ele dominou a ideia de que a venda de bens utilizados para financiar a compra de outros bens. Ou seja, quando uma pessoa vende uma mercadoria faz para comprar imediatamente a outra mercadoria com os rendimentos auferidos. Esta ideia é chamado Say 's Law (pelo XIX - século economista francês), e, portanto, segue-se que toda a renda é gasto e não gasto é salvo. Daí Keynes sentença reduzida que a oferta cria sua própria demanda. Poderia ser um problema de desequilíbrio em um mercado particular, mas pelo o nível de a toda a sociedade, deixando de gastar em um mercado será gasto em outro e sempre será, no total, um equilíbrio. 

A obra de Keynes é baseada no princípio da demanda efetiva: a produção de bens se ajusta ou depende da demanda por bens. Esta ideia envolve uma transformação radical: a atividade econômica é determinada pela demanda e não pelas limitações que podem ser encontradas no lado da oferta (dotações de recursos ou tecnologia). A ideia se choca fortemente com a Lei de Say e o establishment logo percebeu o perigo de esta mensagem subversiva. 

Keynes identificou as duas componentes da demanda agregada, o consumo e o investimento. O consumo é mais ou menos estável, mas isso é insuficiente porque a propensão a consumir (quando aumenta a renda) cresce menos do que proporcionalmente. Investimento, por sua vez, pode fazer a ponte para alcançar o pleno emprego (investidores também exigem produtos e serviços para os seus projetos). No entanto, o investimento é instável porque isso depende das expectativas dos investidores e está condicionada pela incerteza, outro personagem chave na obra de Keynes. 

Em 1932 Keynes foi capaz de reconhecer a relação de identidade entre os agregados macroeconômicos investimento e poupança. É uma das descobertas mais importantes de Keynes e hoje a análise monetária identifica não apenas a natureza, mas o mecanismo através do qual essa identidade é explicada. Pela criação monetária dos bancos privados, já não se necessita de uma redução no consumo para ter uma poupança que possa ser investida. O crédito bancário gera depósitos e um aumento nas causas de crescimento da renda de investimento. Aqui a causalidade é invertida. Hoje sabemos que a poupança não precede ao investimento. O alto nível de consumo, não de poupança, é o que leva a mais investimentos e crescimento da renda. 

Keynes mostrou que, mesmo com a plena flexibilidade de preços em todos os mercados o desemprego pode se manter por longos períodos de tempo. Mesmo assim, hoje podemos dizer que o mundo da macroeconomia é dividido entre aqueles que acompanham a análise de Keynes e aqueles que continuam a insistir que o problema do desemprego é causado por algum tipo de rigidez. Normalmente se busca as fontes de rigidez no mercado de trabalho (seriam os sindicatos os vilões) ou intervenções governamentais (que viriam a distorcer a bela obra de mercados com preços flexíveis). Confrontado com este absurdo se ergue a obra de Keynes: preços flexíveis no mercado não só não resolvem o problema do desemprego, mas pode agravá-lo. 

Várias mensagens de Keynes irritam aos economistas convencionais e ignorantes. Mas há um que lhes parece intolerável, porque isso prejudica a sua crença sacrossanta que a esfera econômica é autônoma e não deve ser perturbada por ninguém, porque ele tem a capacidade de autorregulação. Keynes mostrou, no entanto, que a intervenção externa é necessária para estabilizar o funcionamento de uma economia capitalista.

Postar um comentário

0 Comentários